Faça o seu comentário

Este post não permite comentários

Comentários

MAMIIILOS em 09 de dezembro de 2011 às 15:41:29»
MAMILOS POLÊMICOS,WE MEET AGAIN.
avatar
Lee em 18 de outubro de 2011 às 10:23:23»
a Disney eek tenho medo dela sad
avatar
Politico Honesto em 17 de outubro de 2011 às 21:53:08»
Ops, outro post. rolleyes
avatar
Politico Honesto em 17 de outubro de 2011 às 15:52:52»
É sabido que o cérebro pode captar detalhes "implícitos" como esses, mas não há um consenso quanto a isso. Muitas técnicas de persuasão trabalham com isso.
avatar
Tyr em 17 de outubro de 2011 às 13:35:45»
É isso ai! mrgreen
avatar
Moonwalker em 17 de outubro de 2011 às 13:14:04»
Tá, eu não assisto muito a TV, mas vou tentar prestar atenção... O resto faz sentido, sim... só não acho que seja subliminar, é mais uma associação...
avatar
Tyr em 17 de outubro de 2011 às 13:04:32»
Bem, é mera curiosidade Moon, mas note apenas. Vai me entender. Quanto aos chavões alguns tem sim mensagens subliminares, senão falado, escrita.
Melhor exemplo: 'Coca-cola é isso ai!' - a parte final. Toda vez que alguém a utilizava na década de 80 a primeira coisa que lembravam era automaticamente a primeira parte. Entendeu?
avatar
Moonwalker em 17 de outubro de 2011 às 12:54:19»
Cerveja? Nem sei, a única coisa que vejo nos comerciais de cerveja são mulheres e praia... acho que é porque não gosto de cerveja...
Mas eu acho que chavões já fogem do conceito de mensagem subliminar. Elas devem ser imperceptíveis sem análise...
avatar
ICTUS em 17 de outubro de 2011 às 12:15:38»
que tal essa do pacLGman ?

avatar
Tyr em 17 de outubro de 2011 às 12:10:56»
Outro exemplo?
No desenho Pokemon, o Picachu qdo emite aquelas fagulhas causavam tonturas e nauseas nas crianças. Os produtores tiveram de tirar o efeito do desenho porque notaram que as crianças prestavam mais atenção ao efeito do que era comum e isso induzia ao mal estar.
avatar
Nessa em 17 de outubro de 2011 às 11:55:12»
Obrigado Tyr, bem eu acredito que podemos ser induzidos a comprar ou ter determinado comportamento, a nossa mente, processa e nem percebemos. Um fato, que eu estava : uma criança, disse que estava vendo um desenho animado, não me lembro qual (isso tem muito tempo) "disse que ele podia voar" então ele saltou da janela, ainda bem que ele morava em uma casa, não se machucou, os pais virão o desenho e não encontraram nada de errado, mensagem sublinhar ou a criança tinha problemas?
avatar
Tyr em 17 de outubro de 2011 às 11:30:40»
Moon
Mas o subjetivo é um apelo forte. Note bem isso, não tem de ser somente com a palavra em si. Pode ser também uma chavão que usam com frequência e induz quem vê a determinada ação.
Exemplo? Propaganda de cerveja. Note algumas e depois me diga o que elas tem em comum. Dois pontos somente.
avatar
Moonwalker em 17 de outubro de 2011 às 11:19:12»
Eu sou da política de que se os olhos não veem, o coração não sente. A gente só faz questão de ter aquilo que nossos ollhos desejam, excluindo, portanto, a efetividade de uma mensagem que apenas o cérebro conseguiria captar.
Ademais, "maldito" em português tem vários significados, e todos eles relacionados à perjúria do substantivo ao qual é dado este adjetivo.
Acho que seria uma brincadeira, apenas; por outro lado, embora boa parte dos marketeiros/publicitários não acreditem na influência cerebral das mensagens subliminares, eles as utilizam para forçar a curiosidade dos conspiranoicos que, conscientes ou não, acabam por resolver o problema mais sério da propaganda atual, que é, ao meu ver, a efemerabilidade.
avatar
Tyr em 17 de outubro de 2011 às 11:12:35»
Acredito, sugestionar de forma tênue dá resultado sim.
O cérebro humano tem a capacidade de processar coisas inconscientemente. Como é o caso de sugestão hipnótica que o paciente na sessão recebe uma ordem que deverá executar assim que for liberado da hipnose. Invariavelmente falha.
Outro que tinha esse recurso de mensagem subliminar era o Sombra, personagem de histórias em quadrinhos que aleatoriamente deixa mensagens subliminares aos subordinados e eles a executavam em determinado momento.

Post muito bom dona Nessa.